Madrid em Festa

O Real Madrid venceu a Liga com números impressionantes. 100 pontos são um record espectacular e 121 golos é de outro mundo. São números de uma equipa que quando mostrou a sua melhor versão, poucos a conseguiam parar. Verticalidade, potência, velocidade e contundência.

Os primeiros trinta minutos contra o Maiorca demonstraram essa versão da equipa de Mourinho. Pressão alta e muitos roubos de bola. Se pressionavam mais atrás, transição defesa ataque rapidíssima. Imagem de marca da melhor versão deste Real.

Mourinho pôs o melhor onze para fazer a festa no Bernabéu. Com a excepção de Higuain que jogou por Di Maria. Benzema jogou na posição de extremo direito. Não era nenhuma novidade para o francês.

O termómetro desta equipa é a dupla Xabi Alonso e Mesut Ozil. O espanhol é regular, passou por algumas dificuldades ao longo da época – sobretudo pela inadaptação de Nuri Sahin –  que o levaram a uma fadiga física e psicológica. No entanto a sua visão de jogo, mudanças de ritmo e capacidade defensiva, fazem com que seja um pilar base do conjunto de Madrid. Se Xabi está mal, o Real Madrid também está. Ozil é um jogador excepcional. Numa equipa que não é muito associativa, falta-lhe a regularidade. Quando joga bem, troca a bola com os companheiros e faz passes de “régua e esquadro”. Ontem foi um desses dias e como prémio marcou 2 golos.

Na defesa, o nucleo duro. Arbeloa, Ramos e Pepe. Os centrais fizeram uma temporada magnífica. Velocidade, posicionamento e antecipação são as principais armas da melhor dupla de centrais do mundo. Arbeloa é muito irregular, compromete um pouco nos jogos grandes e falta-lhe velocidade.

Marcelo. Com o brasileiro não há meio termo. Fantástico a atacar, horrível a defender. Resolveu muitos jogos com as suas subidas anárquicas pelo flanco esquerdo, mas deixa muito espaço para as equipas contrárias explorarem. Mourinho opta por Coentrão em jogos grandes, não quer comprometer demasiado. O português é melhor a defender.

O tanque Khedira. Fundamental na estratégia do Real. O melhor Khedira coincidiu com o melhor Madrid da temporada. Sacrifício físico e capacidade de destruir jogo. Com a sua lesão, jogou Lass na sua posição. Mais desordenado tacticamente, mas com mais técnica que o alemão.

Na recta final da época, Mourinho apostou por Granero. Combina bem com Xabi Alonso e faz a bola circular mais pelo meio campo.

No ataque. Higuain e Benzema são a “dor de cabeça” da equipa técnica. Poucas equipas podem contar com dois avançados como estes. Os números são impressionantes, os dois marcaram mais de 20 golos cada um. Os números de Higuain são ainda mais espectaculares, quando comparados com os minutos que jogou. Mas Benzema fez uma temporada de sonho. Entende o jogo dos companheiros como ninguém, movimentações felinas e faro de golo.

Di Maria foi mais irregular que o ano passado devido ás lesões. É vital no estilo do Real Madrid pela sua verticalidade, improviso e velocidade. Depois da lesão voltou trapalhão.

Cristiano. Todos os adjectivos são poucos para contar a temporada que fez. As virtudes e defeitos do Real, são também os seus. Competitivo, resistente, rápido, agressivo, vertical, goleador. Em contra: ás vezes é demasiado egoísta, conduz o jogo em demasia e em algumas ocasiões falta-lhe visão de jogo. Para mim, terá que vencer a Bola de ouro 2012.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s