Os meninos espartanos

20120620-171205.jpg

As bandeiras bem altas ao vento. 16 escudos ostentados pelos mesmos capitães que o cantam e contagiam ao resto do estádio. Esse instante vivido por milhões de crianças de cara pintada e equipados a rigor. No parque ou na escola, fazem tabelas com as paredes e balizas com as mochilas lutando contra outros que sonham viver esse momento. Quem não se lembra desses verões quentes em que entravamos nos cafés cheios de senhores de cabelos brancos e fumo para pedir um copo de água ,enquanto na televisão Poborsky nos roubava o acesso ás meias finais, Zidane marcava aquele fatídico penalty ou Charisteas marcava o golo da sua vida? Refrescávamo-nos com a bola debaixo do braço, víamos uns minutos e regressávamos á terra batida, ao cimento ou ao asfalto.
Na taça da Europa joga-se num rectângulo verde e não há lugar para os individualismos de Robben, para a arte de Modric ou para os sorrisos de Arshavin. O Euro não sabe o que é a lógica ou o tempo. Só a grandeza faz mossa e quando não há grandeza aparece a ilusão. Essa mesma ilusão com que Karagounis, que com 35 anos e depois de 4 jogos a titular durante toda a temporada no Panathinaikos, encarou o torneio. Como se fosse o dono da bola, o melhor jogador do bairro. São esses, os que batalhavam nos jogos nas ruas de terra batida, os que ganham os jogos do Euro.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s