Os adversários das equipas portuguesas na Liga Europa

Quis o sorteio, realizado no final da manhã de 31 de agosto, que a Académica de Coimbra (que estava no quarto e último pote) ficasse colocada no Grupo B da Liga Europa juntamente com o Atlético de Madrid (detentor da prova e recém-vencedor da Supertaça Europeia), o Hapoel Tel Aviv (Israel) e o Plzen (República Checa). Se o facto de ter “caído” no grupo do Atlético Madrid foi uma das piores notícias (em termos desportivos) que poderia ter, a restante constituição do grupo pode deixar algumas esperanças de, pelo menos, discutir o segundo lugar do grupo, lugar que garantirá a passagem à próxima fase da competição. Vamos então analisar os adversários da Académica de Coimbra:

Atlético Madrid – Falcao e mais dez

 

O Atlético Madrid foi o 5º classificado da Liga BBVA 2011/2012 a 2 pontos do 4º lugar, posição que lhe daria acesso à Liga dos Campeões, mas, tendo em conta a recuperação encetada pela equipa desde a chegada do argentino Simeone aos comandos do clube (entrou à 18ª jornada quando a equipa ocupava um modesto 11º posto a 8 pontos do 4º classificado), pode-se imaginar que o lugar dos colchoneros não é nesta competição. Esta ideia é reforçada pela exibição portentosa e resultado desnivelado alcançado perante o Chelsea (vitória por 4-1) na Supertaça Europeia em mais uma demonstração de alto gabarito da estrela da companhia, Radamel Falcao, autor de três golos, mais um do que havia feito na final da Liga Europa, no triunfo por 3-0 sobre o Athletic Bilbau.

Em relação à temporada passada destacam-se as saídas do colombiano Luis Perea, do argentino Salvio (para o Benfica) e do brasileiro Diego (regresso ao Wolfsburg) e as entradas de Cisma (Racing Santander), Raúl Garcia (Osasuna), Diego Costa (Rayo Vallecano), Belözoğlu (Fenerbahçe) e Cristián Rodríguez (FC Porto) para além da manutenção do empréstimo do guardião belga Courtois pertencente aos quadros do Chelsea.

No plantel, para além do goleador Falcao, destacam-se ainda as presenças dos portugueses Sílvio e Tiago e jogadores como Miranda, Juanfran e Arda Turan garantem ao clube a qualidade suficiente para ser apontada como a grande favorita ao triunfo no grupo e até a altos voos na competição.

 

 

Hapoel Tel Aviv – o inferno israelita

 

O Hapoel Tel Aviv é uma formação israelita acostumada às andanças europeias que terminou o último campeonato na quinta posição a apenas dois pontos do segundo lugar e chega a esta competição, tal como a equipa de Coimbra, depois de ter vencido a Taça do seu país mas, devido à posição do ranking, o segundo adversário da Briosa teve de ultrapassar o play-off de acesso à fase de grupos da Liga Europa, batendo os luxemburgueses do Dudelange num total de 7-1 na eliminatória (vitória por 1-3 no Luxemburgo e de 4-0 em Israel).

Numa equipa sem grandes estrelas (apenas 5 jogadores não são israelitas) o nome de Djemba-Djemba salta à vista, uma vez que o camaronês já alinhou em equipas como Manchester United e Aston Villa e chegou esta temporada ao clube (proveniente do Odense) para substituir Nosa Igiebor (transferido para o Betis), é o colectivo a maior força desta formação e o seu reduto um verdadeiro vulcão onde os adversários sentem bem a presença do 12º jogador.

Nesta temporada, para além dos dois triunfos sobre o Dudelange, o Hapoel venceu os dois jogos já disputados do campeonato (um a zero no terreno do Hapoel Ramat Gan e dois zero em casa frente ao  Hapoel Haifa).

 

Plzen – os checos à procura de um lugar ao sol

 

A equipa do Plzen terminou na terceira posição o campeonato checo de 2011/2012 a apenas três pontos do campeão (Slovan Liberec) e a um do segundo classificado (Sparta de Praga) alcançando 19 triunfos em 30 jogos, com seis empates e cinco derrotas e, esta temporada, ao fim de seis jogos, segue na segunda posição com 13 pontos, fruto de quatro triunfos, um empate e uma derrota.

Para esta temporada, a equipa perdeu Václav Pilar para o Wolfsburg, Milan Petrzela para o Augsburg e Marek Cech para o Sparta de Praga, entrando para os quadros do clube o arménio Edgar Malakyan (Pyunik), o eslovaco Matúš Kozáčik (Anorthosis) e mais sete checos desconhecidos que se juntam a um tal de Pavel Horváth que, aos 37 anos, poderá regressar a Portugal depois de uma curta e infrutífera passagem por Alvalade entre 2000 e 2002 que, apesar de tudo, lhe rendeu um Campeonato e uma Supertaça.

A equipa checa, à semelhança da israelita, fará do conjunto a sua força mas poucas hipóteses terá de pontuar com o Atlético Madrid, caso os colchoneros façam jus à sua superioridade técnica e à qualidade individual dos seus jogadores.

A primeira jornada arrancará no próximo dia 20 de Setembro com os jogos Hapoel Tel Aviv – Atletico Madrid e Plzen – Académica.

Sporting

 

Sporting parte como o grande favorito à conquista do grupo G da Liga Europa. Depois de afastar no playoff o Horsens, da Dinamarca, a equipa leonina, integrada no pote 1, conseguiu evitar alguns dos principais adversários que lhe podiam calhar em sorte como o Nápoles e a Lázio, de Itália, o Atlético Bilbau, de Espanha, o Newcastle, de Inglaterra, ou Anzhi, da Rússia. Quis o sorteio que calhasse ao Sporting o Basileia (Suíça), Genk (Bélgica) e Videoton (Húngria).

A equipa suíça surge na fase de grupos da Liga Europa depois de ter falhado o acesso à Liga dos Campeões, sendo afastada na pré-eliminatória pelo Cluj (3-1 no conjunto das duas mãos).  Apesar de algumas passagens marcantes na Champions, o Basileia ficou na temporada passada associado negativamente à prova ao registar a pior derrota de sempre na competição (7-0 frente ao Bayern de Munique). Para esta época os suíços perderam a sua principal estrela, Shaqiri, precisamente para a equipa de Munique a troco de 11,8 milhões de euros. Também Xhaka se transferiu para a Alemanha, concretamente para o Borussia Moenchengladbach (por 8,5 milhões de euros). No sentido inverso, o chileno Marcelo Diaz (ex-Universidade do Chile) representou a principal aquisição (4 milhões de euros) sendo que o argentino Gaston Sauro (ex-Boca Juniores) fechou o lote de contratações da equipa treinada pelo alemão Hoiko Vogel.

Genk, sexto classificado do campeonato belga, é uma equipa jovem que apresenta uma média de idades de 23 anos, em que apenas dois jogadores (os avançados Barda e Buffel) têm mais de 30. Para esta época a equipa treinada pelo holandês Mario Been (que cumpre a segunda época no Genk) fez uma pequena revolução, contratando 12 jogadores e vendendo 17, entre os quais Kevin de Bruyn, para o Chelsea (8 milhões de euros) e o congolês Christian Benteke, para o Aston Villa (8,8 milhões de euros). Apesar dos belgas terem facturado cerca de 20 milhões de euros em vendas, gastaram apenas 2 milhões e todos no defesa Katutu Tshimanga (ex-Lokoren). Em termos europeus, para alcançar a fase de grupos,os belgas afastaram nas pré-eliminatórias o Aktob, do Cazaquistão, (3-1 no conjunto das duas mãos) e o Luzern, da Suíça, (3-2-no conjunto das duas mãos).

Os húngaros do Videoton apresentam-se, porventura, como os mais desconhecidos entre os portugueses mas são, por outro lado, aqueles que neste momento mais ligação mantêm com o Sporting.  A começar pelo treinador Paulo Sousa, ex-jogador dos leões, e a terminar em Renato Neto, cedido a título de empréstimo pelo clube de Alvalade. Também o defesa central Marco Caneira, ex-jogador do Sporting, está integrado nesta equipa húngara que eliminou o Trazbzonsport, da Turquia, no playoff de apuramento, na discussão por grandes penalidades após o nulo registado em toda a eliminatória. De referir que a equipa húngara conta ainda com outro português na equipa. Trata-se de Filipe Oliveira, 28 anos, que chegou ao Videoton a época passada depois de ter representado o Braga, o Torino e o Parma. Também Evandro Brandão integra os quadros da formação húngara, mas foi esta época cedido ao Olhanense a título de empréstimo.

O treinador do Sporting, Ricardo Sá Pinto, refere que é “preciso respeitar os adversários“, mas não esconde a ambição de “voltar a fazer uma grande campanha na Liga Europa“, depois de na temporada passada ter caído nas meias-finais diante o Atlético de Bilbau. ”Mantendo a atitude certa estaremos mais próximos de conseguir os nossos objetivos de apuramento. Sei que vamos entrar em cada jogo com o espírito de ganhar e é esse espírito que nos anima e que deve animar todos os sportinguistas”, declarou o técnico.  Para confirmar o favoritismo no grupo o Sporting terá que fazer golos, um dos problemas que mais salta à vista neste início de época. Com Van Wolfwinkel como principal (e única) referência no ataque dos leões, o desafio de Sá Pinto passará por encontrar um modelo de jogo em que o Sporting consiga ser mais eficaz e ter mais presença na área adversária.

 

Marítimo

 

 

O CS Marítimo participa pela primeira vez na Fase de Grupos da Liga Europa. Várias foram as vezes em que a equipa tentou, mas só agora conseguiu, depois de bater o Asteras Tripoli (1-1 fora e 0-0 em casa) na 3ª Pré-eliminatória e o Dila gori (1-0 em casa e 0-2 fora) no Play-off.

Na primeira participação, nada pior, do ponto de vista desportivo, do que os três adversários sorteados (Newcastle United, FC Bordéus e Club Brugge), que, além de terem mais experiência nesta competição, são mais dotados em termos individuais, contando nas suas fileiras com vários jogadores internacionais.

Sem quaisquer rodeios, a única hipótese do CS Marítimo residirá nos resultados em casa, uma vez que o seu treinador, Pedro Martins, é muito inteligente taticamente.

Do ponto de vista financeiro, dificilmente se poderia pedir mais, uma vez que, particularmente, Newcastle United e FC Bordéus são duas equipas muito conhecidas e com muitos adeptos, o que ajudará a encher o Estádio dos Barreiros e os cofres maritimistas.
Esta fase da competição começa no próximo dia 20 de setembro.

 

 

Newcastle

Curiosidades da última temporada:Na última época, o Newcastle United teve um excelente desempenho na Premier League. Ficou em 5º lugar, venceu 19 partidas, empatou 8 e perdeu 11, o que prova que esta é uma equipa que gosta de resolver tudo na hora.
Em termos de golos, o Newcastle United foi bastante equilibrado: marcou 56, mas sofreu 51, o que revela algumas debilidades defensivas. Em casa, empatou 5 vezes, perdeu apenas 3 (menos 1 do que o Chelsea FC) e sofreu apenas 17 golos, estando entre as oito melhores defesas em casa. Fora, a histórias foi outra: 34 golos sofridos, 8 derrotas e 3 empates. Em médias, marcou 1,47 por jogo e sofreu 1,34 por partida.
Desde o começo, este sempre entre os sete primeiros classificados, o que denota regularidade, pelo menos, nos resultados.

 

Club Brugge

 

Curiosidades da última temporada:Na última época, o Club Brugge voltou a apresentar-se a um bom nível na principal Liga belga. Ficou em 2º lugar, atrás do poderoso Anderlecht. Marcou 51 golos, sofreu 32. Conseguiu 19 vitórias, uma a menos do que o campeão, mas perdeu por 7 vezes, empatando ainda 4 partidas. A sua força esteve particularmente em casa, onde venceu por 12 vezes, empatou 1 jogo e perdeu 2. Marcou 30 golos e sofreu 10, sendo o 5º melhor ataque e a 2ª melhor defesa. Em média, marcou 1,70 por jogo e sofreu 0,67 por partida.
Fora do seu terreno, venceu 7 vezes, as mesmas que o campeão, empatou 3 e perdeu 5. Marcou 21 golos e sofreu 22, perdendo aqui o título para o Anderlecht. Foi o 4º melhor ataque e a 5ª melhor defesa a jogar fora.  Em média, marcou 1,40 golos por jogo e sofreu 1,47 por partida. No geral, foi a 2ª equipa mais forte em casa e a 3ª fora do seu campo.
Em termos de percurso, andou praticamente sempre entre os cinco primeiros lugares, sendo que nas primeiras dez jornadas atingiu algumas vezes o 1º lugar.
Na Liga Europa do último ano, ficou no grupo do SC Braga, tendo vencido 1-2 em Braga e empatado 1-1 na Bélgica.

 

Bordéus

 

Curiosidades da última temporada:Depois de um começo horrível, o FC Bordéus recuperou e, graças a uma ponta final fantástica, terminou no 5º lugar, a apenas quatro pontos do Ol. Lyon. Apesar de a parte inicial parecer catastrófica, a verdade é que o FC Bordéus teve “apenas” 9 derrotas, três a menos do que o Ol. Lyon (4º classificado). A equipa venceu 16 jogos e teve 13 empates. A sua grande arma foi o seu estádio, onde venceu 9 vezes, empatou 8 e perdeu apenas 2, num total de 25 golos marcados e 14 sofridos. A média de golos marcados em casa foi de 1,32; a de golos sofridos foi 0,74. Defensivamente, em casa, o FC Bordéus foi a 4ª melhor equipa.
Fora de casa, a equipa também não esteve nada mal: venceu 7 partidas, empatou 5 e perdeu 7, marcando 28 golos e sofrendo 27, o que dá uma média de 1,47 e de 1,42 respetivamente.
Em termos de Ranking nos jogos fora, o FC Bordéus foi o 3º melhor ataque e a 12º melhor defesa.
A progressão na Ligue 1 revela que a equipa teve muitas dificuldades na tabela até à 15ª jornada, marcando presença na segunda metade. A partir dessa jornada, tudo melhorou e a equipa andou sempre entre o 9º e o 7º lugar, conseguindo o 5º posto nas últimas duas jornadas.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s